quinta-feira, 21 de maio de 2009

A nova vida

era assim que se sentia, como uma história que começa parecendo continuação, mesmo sem ser. a nova rotina agradava e a velha já não dava mais sinais de vida. tomou-se de amor pelo novo e se sentia bem assim. o velho moço que não sabia que ela existia morreu. fora atropelado há uma semana por um tal caminhão destruidor de saudades. o entregador de novas vidas passou por sua casa em uma manhã e lhe deu toda a felicidade que alguém poderia receber. ganhou assim, de mão beijada, sem ter que fazer nada. desfrutava dos novos prazeres, aqueles que fazem tremer o corpo todo, que chega a adormecer por inteiro. a dor chegou pra dar o maior prazer do mundo e o calor veio substituir o frio intenso da madrugada.

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Só pra constar - sem graça

Só pra constar, de tempos em tempos eu sinto vontade de escrever coisas sobre a minha vida aqui, de uma forma não poética. De uma forma inclusive que não tem nada a ver com o blog e de um jeito que ninguém se interessa em ler.

Estou no trabalho e no momento sinto calor (lá fora deve estar uns 20 graus, mas aqui dentro é quente), quero tomar banho, dormir, colocar um chinelo, tirar essa roupa, conversar no telefone (?). Eu to cansada, muito cansada. Mas nada me abala. Nem a faculdade ruim, nem os olhos ardendo e vermelhos, nem essa página do governo que só fala de Serra e Kassab.

Tenho sentido saudades dos anos anteriores. 2005, 2003, 2000. Esses anos aí que eu chorava de rir por qualquer coisinha e só falava merda. Eu ando é chorando de emoção (ok, eu ainda choro de rir e só falo merda).

Enfim, o calor aqui tá grande. Parece que conforme eu escrevo, aumenta. Não sei qual a relação. Eu tava bem até agora. Quero ir pra casa, porque minha bunda não aguenta mais essa cadeira dura e vermelha. Alguém me salva. Eu sei que você me salva.

Me perdoem pelo post que ninguém tem nada a ver. Isso é mais fotolog do que qualquer outra coisa. Eu deveria apagar tudinho agora, mas não vou fazer isso. Agora vou embora, que ainda tenho que mandar meu relatório de produção. Que calor dos infernos, meu deeeus!