domingo, 21 de fevereiro de 2010

Marcas da paixão

Estava no Metrô, pensando nas coisas da vida, sentindo muito calor, esperando a estação Paraíso chegar. Percebi que a moça ali na frente olhava pra mim e, com certeza absoluta, pensava "pervertida, safada, sem vergonha". Era a marca avermelhada do lado direito do meu pescoço que me entregava, me culpava, mesmo que daquilo eu não tivesse culpa alguma. Ninguém tinha, aliás. Minto. Culpa tive eu que não fui ainda no dermatologista ver o que acontece. Infelizmente a marca não me traz nenhuma lembrança pervertida, safada ou sem vergonha.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Mais um dia de sol

Acordei. Percebi que acabou e que não vale mais a pena. Seja feliz que eu vou ser também.