quarta-feira, 16 de março de 2011

Supostamente linda

A mulher, que beirava os 50 anos, se levantou rapidamente. Supostamente atrasada, correu para o banheiro, fez xixi e escovou os dentes. Voltou ao quarto, mas, para não acordar o marido desempregado que ali roncava, trocou-se no escuro. Não soube diferenciar modelos, muito menos cores. Sem checar o que vestira no espelho, cruzou rapidamente o portão, deixando-o meio aberto.

Ao chegar no ponto de ônibus, esperou por 20 minutos - seu ônibus já havia passado, como todos os dias, às 6h. Impaciente, acendeu um cigarro e não se incomodou com a jovem que à sua frente tossia e a olhava feio por causa da fumaça que vinha diretamente em seu rosto. Seu ônibus finalmente chegou: linha Vila Brasilina-Shopping Ibirapuera. Ainda sem notar a roupa que havia vestido, subiu as escadas e, espremida, seguiu viagem no ônibus que circulava com todas as janelas fechadas, devido à garoa daquela manhã.

Quando finalmente desceu do coletivo, deparou-se com um bonito prédio espelhado e foi aí que notou o que estava usando: calça rosa, blusinha vermelha e, coincidentemente, um moletom também rosa. O sapato era o preto de sempre. Após reparar em cada detalhe da roupa, pensou: "Estou linda".